1. Por que é que hoje quase nunca se ouve ninguém denunciar a mundanidade tão difundida no seio das igrejas?


As razões são as mais variadas. 

Em muitos casos quem deve e deveria denunciá-la é ele mesmo dado à mundanidade juntamente com a sua mulher e a sua família. Pelo que lhe é impossível repreender aqueles que amam ser mundanos; se o fizesse, imediatamente lhe seria apontado o dedo por não poucos que lhe diriam que ele mesmo é repreensível porque faz as mesmas coisas que eles. Diriam-lhe em outras palavras: 'Tu tens e vês a televisão como nós, tu vais para a praia estender-te ao sol seminu para ficares bronzeado como nós, tu permites à tua mulher vestir mini-saia e maquiar-se, usar jóias e vestir-se de maneira luxuosa, pomposa e com roupa justa, tu vais aos parques de diversão, tu vais atrás da moda, tu pensas nas coisas desta terra; hipócrita, começa primeiro a repreender-te a ti mesmo e à tua mulher, põe no lugar as coisas da tua casa, e depois vem repreender-nos!'. Isto ensina-nos que para que um ministro do Evangelho seja idóneo para repreender com sinceridade e toda a autoridade quem faz o mal deve ser antes de tudo ele um exemplo. Quero lembrar a tal propósito que Paulo disse sim a Timóteo: "Conjuro-te diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, e pela sua vinda e pelo seu reino: prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino. Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina … " (2 Tim . 4:1-4), mas lhe disse também: "… mas sê um exemplo para os crentes, no falar, na conduta, no amor, na fé, na castidade " (1 Tim. 4:11-12). 

Em outros casos é antes porque há nos condutores o medo de denunciar as mundanas concupiscências a que são dados muitos crentes para não perderem o favor dos rebeldes que pode ser em alguns casos o voto nas periódicas eleições do pastor, em outros o dinheiro da sua carteira. Este medo vem do diabo que tem todo o interesse que os Cristãos se tornem e permaneçam mundanos . Saiba aquele pastor ou condutor da Igreja que procura agradar aos rebeldes em vez de a Deus que ele tornou-se inimigo de Deus; o juízo contra ele não dormita, chegará a seu tempo de maneira inexorável se ele não parar de tolerar o mal por causa dos seus interesses pessoais.

Em outros casos ainda é porque os condutores pensam e dizem que será o Senhor a fazer perceber a estes rebeldes que certos comportamentos não são a ele agradáveis. Também isto é errado porque se assim fosse não se explica o motivo pelo qual o Senhor constituiu os ministérios na Igreja. Não foram porventura dados para o aperfeiçoamento dos santos? Portanto isto quer dizer que mediante os ministros os santos são aperfeiçoados, e como podem sê-lo se eles estão calados? Não poderão. Portanto os ministros do Evangelho devem levantar a sua voz contra as hipocrisias, as falsidades, a avareza, a esperteza, a injustiça, o amor pelas coisas de baixo tão difundidas hoje no seio das Igrejas a todos os níveis. Eles devem exortar quem se afastou do Senhor e das veredas antigas a voltar ao Senhor, a voltar a andar nas veredas antigas que são as direitas em que há abundância de alegria e paz. Quem ama o mundo deve corar, deve envergonhar-se pelas suas obras iníquas, deve arrepender-se e produzir frutos dignos de arrependimento. Nenhuma piedade seja mostrada para com o pecado e as suas concupiscências; como o pecado não tem piedade dos santos, assim os santos não devem ter piedade dele. Que os ministros do Evangelho lutem infatigavelmente contra o pecado que de maneira dissimulada seduziu assim tantos crentes. Que advirtam os crentes das consequências amargas a que vão de encontro aqueles que se põem a amar o mundo. Sejam anunciados os terríveis mas justos juízos de Deus contra os rebeldes; que aqueles que têm prazer na mentira, na hipocrisia, nos divertimentos, na moda, tremam ao ouvi-los falar do juízo de Deus, e abandonem a teimosia dos seus corações para agradar ao Senhor e não mais a este mundo. Soem a trombeta em Sião; advirtam o povo das maquinações de Satanás. Certamente ao fazer isto eles atrairão a si a inimizade dos rebeldes que o afligirão com toda a sorte de mentiras e de comportamentos iníquos; mas isto lhes acontecerá por causa da justiça, por amor da verdade, pelo que serão bem-aventurados. Sim, bem-aventurados porque sofrem pelo Evangelho, pelo Senhor.

 

 

Índice