1. Queria ter maiores informações sobre como deve ser interpretada a circuncisão e se no dia de hoje é considerada indispensável ou não


Pelo que concerne à circuncisão da carne ordenada por Deus ao patriarca Abrão, o Hebreu, e que os Hebreus de hoje ainda praticam em obediência a esta ordem, ela no seio do Hebraísmo é certamente considerada muito importante mas não indispensável para ser definido Hebreu, de facto, se a circuncisão não pode ser efectuada no bebé por motivos de saúde ou no futuro não for feita ainda por motivos de saúde é suficiente para a ortodoxia hebraica que a mãe seja hebréia para ser considerado na mesma hebreu. Digo pela ortodoxia hebraica porque os Hebreus reformados, desde 1982, consideram hebreu também quem tem só o pai hebreu e a mãe gentia. Também aqui porém deve ser feita uma precisão porque há Hebreus reformados, os do Canadá e de Israel, que não aceitam esta decisão. Em linha geral pode-se dizer que não é a circuncisão a decidir se um macho é hebreu mas o status da mãe (ou em certos casos também o do pai)

No caso de um Gentio se converter ao Judaísmo enquanto para os Ortodoxos o prosélito deve ser circunciso (desde que não hajam perigos para a saúde), para os Reformados a circuncisão não é obrigatória

Segundo quanto diz a Escritura a circuncisão na carne era o sinal do pacto entre Deus e Abrão e a sua descendência (cfr. Gênesis 17:11), e era tão importante para Deus que o macho incircunciso devia ser morto (cfr. Gênesis 17:14). A Escritura diz também que Deus quis matar Moisés porque este não tinha circunciso seu filho. Foi sua mulher a evitar que ele morresse porque vendo o que Deus estava para fazer circuncidou o seu filho (cfr. Êxodo 4:24-26).

Agora, porém com toda a importância que tem a circuncisão da carne para um Hebreu, dado que estamos debaixo da graça, no sentido que dado que estamos no tempo seguinte à vinda de Cristo, a circuncisão na carne não tem algum valor para aqueles que creram em Jesus Cristo, ou seja, para nós Cristãos. O apóstolo Paulo é muito claro a respeito quando diz: "A circuncisão é nada ..." (1 Coríntios 7:19) e também: "Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum..." (Gálatas 5:6). Portanto não só a circuncisão da carne não tem valor algum para nós mas também a incircuncisão. Quem pois creu no Senhor Jesus Cristo, se quando foi chamado era incircunciso não se deve fazer circuncidar (cfr . 1 Coríntios 7:18). Mas por que é que para nós que estamos debaixo da graça a circuncisão da carne não tem algum valor? Por este motivo; porque ela era a sombra da verdadeira circuncisão que receberiam aqueles que creriam no Messias que devia vir que sabemos e proclamamos ser Jesus de Nazaré. Quando o escritor aos Hebreus diz: "A lei, tendo a sombra dos bens futuros..." (Hebreus 10:1) quer dizer que também a circuncisão da carne constituia uma sombra de um bem futuro. Mas se a circuncisão da carne era a sombra qual é a realidade? A realidade é constituída pela CIRCUNCISÃO DO CORAÇÃO, de resto predita pela mesma lei de Moisés (cfr. Deuteronómio 30:6), que consiste na sua purificação do pecado. Purificação que acontece pelo sangue precioso de Jesus Cristo. Como com a circuncisão da carne era e é removido o prepúcio do bebé, com a circuncisão do coração são removidos os pecados que o contaminam. O apóstolo Paulo explica em que coisa consiste esta circuncisão dizendo que consiste "no despojar do corpo da carne" (Colossenses 2:11).

Eis por que Paulo diz aos Filipenses que os verdadeiros circuncisos somos nós cristãos (cfr. Filipenses 3:3), e aos Romanos que a circuncisão é a do coração, no espírito, não na letra (cfr. Romanos 2:29), porque ele sabia que agora em Cristo esta é a circuncisão verdadeira, a que conta aos olhos de Deus. Esta circuncisão do coração é operada por Jesus Cristo quando a pessoa se arrepende dos seus pecados e vai a ele para obter o perdão dos seus pecados, nesse momento ele a circuncida purificando-a dos seus pecados. Também esta circuncisão é um sinal, mais precisamente é o sinal do novo pacto entre Deus e o homem que nele crê. Novo Pacto que é melhor do que o Antigo porque está firmado sobre melhores promessas.

Como porém há uma circuncisão espiritual há também uma incircuncisão espiritual que possuem todos aqueles que ainda não crêem em Cristo, inc luindo os Hebreus que são circuncisos na carne. Eis por que eu anuncio aos homens que se devem arrepender e crer no Senhor Jesus Cristo, para que recebam a circuncisão do seu coração, para que possam assim reconciliar-se com Deus. Doutra forma, se não receberem esta circuncisão perecerão pela eternidade. Quando morrerem irão para o inferno aguardar o dia do juízo.

Portanto, para recapitular, para os Hebreus a circuncisão é importante porque com ela o bebé entra no pacto que Deus fez com Abrão e com a sua descendência, porém por certos motivos particulares pode também não ser praticada por tempo indefinido e isso não anula o status de Hebreu; mas esta circuncisão carnal para nós Cristãos não tem valor algum porque o que conta é ter o próprio coração circunciso. E depois enquanto para os Hebreus, por certos motivos um bebé pode não receber a circuncisão e ser considerado na mesma Hebreu (repito que a mãe porém tem de ser hebréia para os rabinos ortodoxos), para nós Cristãos a circuncisão do coração é indispensável para entrar a fazer parte do povo de Deus, em outras palavras alguém que se define Cristão para ser considerado por nós um verdadeiro Cristão tem que ter recebido esta circuncisão do coração DOUTRA FORMA permanece um não Cristão, isto é, um incrédulo um pecador que ainda se tem que reconciliar com Deus.

 

 

Índice