2. Não crês que a história do nascimento virginal de Jesus Cristo seja um mito inventado por alguns seus discípulos para honrar o seu mestre, um mito que de resto é típico do mundo helenístico antigo?


Não, de modo nenhum, porque nós cremos que a história da concepção de Jesus no ventre de sua mãe Maria por obra do Espírito Santo, e portanto não por obra de José seu marido, seja uma história verdadeira, autêntica, sem o mínimo detalhe inventado. E isto porque nós aceitamos o que diz tanto Mateus como Lucas, como também o profeta Isaías, como Palavra de Deus e não como palavra de homens. E depois há boas, ou melhor, muito boas razões para aceitar o seu nascimento virginal, antes de tudo Jesus Cristo devia nascer desta maneira para não nascer contaminado pelo pecado e poder assim carregar-se de todas as nossas iniquidades. De facto, Jesus Cristo, como Cordeiro de Deus preordenado por Deus antes da fundação do mundo para fazer a propiciação dos nossos pecados, devia forçosamente estar imune da culpa debaixo da qual nasce todo ser humano, isto é, estar imaculado. O seu nascimento de uma virgem portanto faz parte desse glorioso plano preparado nos mínimos detalhes pelo Deus vivo e por ele efectuado na plenitude dos tempos para a salvação dos homens dos seus pecados. E depois, o nosso Deus é o Omnipotente pelo que uma semelhante coisa não lhe era impossível fazê-la. Não há nada demasiado difícil para o nosso Deus; criou os céus e a terra e tudo o que neles há em apenas seis dias, dividiu um mar fazendo passar no meio dele um povo inteiro, fez falar um mudo jumento com voz humana para repreender um profeta, - para citar só algumas das suas obras poderosas transcritas na Bíblia -, Ele podia portanto também fazer nascer um ser humano de uma mulher virgem, coisa que nós cremos que Ele fez quando mediante o seu Espírito fez primeiro ficar grávida Maria, a prometida esposa de José, e depois em seguida a fez dar à luz o menino a quem foi posto o nome de Jesus. A Deus seja a glória agora e eternamente. Amen

 

 

Índice