2. Na página portoghese_faq_2_chiesa_01.htm , você encara a questão dos ministérios para as mulheres, e conceda-me, parece-me que você liquida o problema de modo muito sumário e que sustenta teses ofensivas para as mulheres. Se cremos na igual dignidade de homem e mulher, como se pode afirmar que a mulher deve ser submissa e que não possa ocupar os mesmos cargos que ocupa o homem? Não é muito mais sensato instaurar relações paritárias entre homens e mulheres, no respeito e na estima recíproca? Como se pode no ano 2000 sustentar que a mulher deve estar em silêncio e ser submissa porque é mais facilmente enganada pelo diabo?


Excelentíssimo senhor, o meu discuro (fundado na Palavra de Deus) diz respeito ao papel da mulher na Igreja de Deus. Creio tê-lo explicado bem em todo o site (porque diversas vezes volto a este assunto em pontos diferentes) o que é que a mulher pode fazer e o que, pelo contrário, não pode pôr-se a fazer na Igreja, mas de qualquer modo lho repito brevemente. A mulher na Igreja pode orar, e profetizar (se tem o dom de profecia), obviamente com a cabeça coberta por um véu como sinal da autoridade da qual depende (autoridade que é o homem), mas não pode ensinar. A razão a explica o apóstolo Paulo, e é porque não foi o homem a ser enganado mas a mulher no jardim do Éden. Obviamente também o homem foi enganado no jardim do Éden, mas não pelo diabo, e aqui está a diferença entre o homem e a mulher. Esta não é uma coisa sem importância. O apóstolo Paulo o diz claramente que não foi o homem a ser enganado pelo diabo mas sim a mulher. Eu não creio de modo algum sustentar teses ofensivas para as mulheres; obviamente muitas mulheres estarão de acordo consigo que eu as tenha ofendido, mas o que digo é sustentado pela Palavra de Deus que dura eternamente. Veja, à mulher não só é proibido ensinar na igreja mas não lhe é permitido também usar autoridade sobre o marido. É contrário à natureza ver uma mulher ter domínio sobre o seu marido; é algo de vergonhoso, que infelizmente hoje se vê frequentemente nesta sociedade. A mulher foi criada por causa do homem, porque Deus decidiu dar ao homem uma ajudadora conveniente; não é o homem que foi criado para a mulher. Esta é a razão pela qual a mulher deve estar submissa ao seu marido e obedecer-lhe. O homem é o seu cabeça, ela deve estar-lhe submissa.

Olhe que a mulher cristã não é considerada pela Palavra de Deus uma espécie de escrava a quem o marido pode ordenar qualquer coisa e para com quem se pode comportar como quer. Não quereria que por aquilo que digo você entendesse isso. Com efeito, no Novo Testamento há também ordens para os maridos aos quais é expressamente ordenado conviver com a mulher com a discrição DEVIDA ao vaso mais fraco que é o feminino (cfr. 1 Pedro 3:7), é-lhes ordenado dar honra à mulher doutra forma as suas orações ficarão sem resposta por parte de Deus. Isto demonstra que Deus não faz acepção de pessoas, de facto, se não atende um marido que despreza a mulher ou a trata mal, isso demonstra que diante dele não há macho nem fêmea. Portanto, sim o homem é o cabeça da mulher, sim o marido é o cabeça da mulher, mas se ele desobedece a Deus será punido com base na sua deso bediência. Queria  fazer-lhe notar a propósito das palavras de Pedro às quais fiz antes referência que Pedro define a mulher o vaso mais fraco o que significa que também o marido é um vaso fraco, só que a mulher É MAIS FRACO. Mas não se vê isso? Eu o vejo claramente e não só entre as mulheres cristãs. Portanto para resumir, na Igreja de Deus há uma ordem estabelecida por Deus, e esta ordem prevê entre outras coisas que a mulher deve estar submissa ao seu marido e ao homem em geral pelas razões antes citadas. E lhe posso assegurar que aquilo que a Palavra de Deus ordena é sempre para o nosso bem, mesmo se não nos agrada e não o compreendemos por vezes logo. Muitos matrimónios andam destroçados justamente porque a mulher recusa ser submissa ao marido e obedecer-lhe, querendo alcançar a chamada paridade tão procurada pelo movimento feminista. Se os matrimónios falidos aumentaram de maneira assustadora nestes últimos anos é justamente POR CAUSA da emancipação feminina tão elogiada por várias partes. Parte-se-me o coração ao ver mulheres que em virtude destas ideias perversas comportam-se para com os maridos como se fossem marionetas nas suas mãos.

Mas estão sofrendo a pena desta sua rebelião. Obviamente muitos matrimónios se quebram também por culpa de maridos que pensam poder maltratar a mulher e usá-la a seu agrado; mas também estes homens sofrerão a pena da sua rebelião. Eu poderei ser odiado por muitas mulheres, poderei ser desprezado por muitos homens, por esta minha posição tão radical e tão 'retrógrada', mas não me importa, DEUS ME CHAMOU PARA PREGAR A SUA PALAVRA E EU DEVO ANUNCIAR O SEU CONSELHO E NÃO AQUELE QUE ME SUGERE O MUNDO. Agrade ou não agrade, isto é o que Deus ordenou na sua Igreja.

 

 

Índice