3. Podias explicar-me Hebreus 7:4-10? 


O texto diz: "Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro" (Heb. 7:4-10).

Ora, o escritor aos Hebreus escreveu estas palavras depois de ter dito várias vezes que Jesus Cristo foi constituído por Deus sacerdote eternamente segundo a ordem de Melquisedeque e depois de ter dito que este Melquisedeque que era sacerdote de Deus e rei da cidade de Salém abençoou Abraão e recebeu de Abraão os dízimos dos despojos quando ele regressava da matança dos reis.
Com estas palavras portanto o escritor quis explicar que Melquisedeque é superior a Arão porque por meio de Abraão, Levi que no tempo de Abraão estava nos lombos de Abraão e que segundo a lei estava encarregado de receber do povo os dízimos, até ele mesmo pagou dízimos, porque os deu a Melquisedeque.
Mas por que razão o escritor quis sublinhar a superioridade de Melquisedeque sobre Arão? Para fazer perceber a nós crentes que o sumo sacerdote da nossa profissão de fé, isto é, Jesus Cristo, sendo segundo a ordem de Melquisedeque, é de uma ordem superior à dos sumos sacerdotes do Antigo Pacto que eram segundo a ordem de Arão os quais Deus tinha constituído a favor dos homens nas coisas concernentes a Deus para que oferecessem dons e sacrifícios pelos pecados. Esta explicação obviamente tinha o intuito de desviar aqueles crentes que eram Hebreus de nascença do propósito de voltarem aos velhos sacrifícios do Antigo Pacto, ou seja, de voltarem a apoiar-se na mediação dos sumos sacerdotes do Antigo Pacto. De facto, era precisamente este o problema, aqueles crentes eram tentados a voltar aos sacrifícios expiatórios do Antigo Pacto, coisa que equivaleria a pisar o Filho de Deus e a profanar o sangue do pacto com o qual tinham sido santificados e a crucificar de novo o Filho de Deus. E então com palavras persuasivas de sabedoria divina, o escritor explica-lhes como Jesus Cristo, o sumo sacerdote da nossa profissão de fé, é superior aos sumos sacerdotes segundo a ordem de Arão, porque é de uma ordem mais excelente. E depois explica que Jesus Cristo tem um sacerdócio eterno porque ele não morre mais, à diferença dos sacerdotes levíticos que como por causa da morte eram impedidos de permanecer transmitiam o seu sacerdócio aos seus filhos; e depois explica também que Jesus foi constituído sumo sacerdote com juramento à diferença dos levíticos que foram feitos sumos sacerdotes sem juramento. E para tornar completa a sua explicação o escritor explica como enquanto os sacerdotes segundo a ordem de Arão deviam oferecer sacrifícios pelos seus pecados e pelos do povo, e apesar disso o sangue desses sacrifícios não podia tirar os pecados, Jesus Cristo se ofereceu a si mesmo uma vez para sempre pelos nossos pecados e o seu sangue aperfeiçoa, quanto à consciência, aquele que é aspergido com ele, isto é, cancela os pecados daquele que crê em Jesus Cristo.

 

 

Índice