1. Um irmão deu-me um cd rom com alguns textos, e no meio deles estava a Didaqué. Nunca tinha ouvido falar deste texto, dei-lhe uma vista de olhos e parece fazer lembrar as palavras do Novo Testamento. Li que alguns dizem que foi escrito pelos Apóstolos em 50 d.C., enquanto outros dizem que é um embuste que foi criado partindo de dois documentos não cristãos, e recheado de palavras copiadas da Bíblia para fazê-lo passar como cristão. Tu sabes dizer-me alguma coisa a propósito disto?


Irmão, li a Didaqué e posso dizer-te que não é obra dos apóstolos do Senhor porque nela há coisas não conformes à verdade.

A Didaqué diz: ‘Não odiarás ninguém, mas repreenderás uns e rezarás por outros, e ainda amarás aos outros mais que a ti mesmo (que tua alma).’ (II,7). Onde alguma vez na Escritura está escrito que se deve amar o próximo mais que a nós mesmos? Ela diz: "amarás o teu próximo como a ti mesmo’ (Lev. 19:18) e não ‘mais que a ti mesmo’.
A Didaqué diz: ‘Se possuíres algo, graças ao trabalho de tuas mãos, dá-o em reparação por teus pecados’ (IV, 6). Fazer esmola para fazer a reparação dos nossos pecados é uma heresia porque a propiciação dos nossos pecados é Cristo, e portanto não existem boas obras que nós possamos fazer para reparar os nossos pecados. Os nossos pecados os reparou Cristo com o seu sacrifício, e portanto se nós Cristãos pecarmos, temos confiança que nos arrependendo deles e confessando-os ao Senhor obteremos a sua remissão em virtude do seu sacrifício expiatório feito uma vez para sempre precisamente para reparar os nossos pecados. É o sangue de Cristo que nos purifica de todo pecado, portanto é mediante a fé no seu sangue que nós podemos obter a remissão dos nossos pecados. Esmolas, jejuns, e tudo o mais, não podem de nenhuma maneira cancelar as nossas dívidas.
A Didaqué diz a propósito do batismo: ‘No que diz respeito ao batismo, batizai em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo em água corrente. Se não tens água corrente, batiza em outra água; se não puderes em água fria, faze-o em água quente. Na falta de uma e outra, derrama três vezes água sobre a cabeça em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Mas, antes do batismo, o que batiza e o que é batizado, e se outros puderem, observem um jejum; ao que é batizado, deverás impor um jejum de um ou dois dias’ (VII, 1-4). O batismo deve ser administrado por imersão, está é a única maneira em que devem ser batizados os homens. Portanto não é lícito batizá-los deitando-lhes sobre a cabeça um pouco de água não importa se uma, duas ou três vezes ou mil vezes. E depois, a Escritura de modo nenhum ensina que quem se deve fazer batizar e quem o deve batizar devem jejuar antes do batismo. O eunuco e Filipe não jejuaram, mas Filipe o batizou logo. Paulo e o carcereiro de Filipos não jejuaram, mas Paulo o batizou logo. A mesma coisa diga-se para Cornélio e os da sua casa e aqueles que os batizaram por ordem de Pedro.
A Didaqué diz: "Todo o apóstolo que vem a vós seja recebido como o Senhor. Mas ele não deverá ficar mais que um dia, ou, se necessário, mais outro. Se ele, porém, permanecer três dias é um falso profeta.’ (XI, 4). Sendo assim, com base no que diz a Didaqué teríamos que dizer que Paulo era um falso profeta porque a Escritura diz que ele demorou-se em casa do evangelista Filipe por muitos dias (Actos 21:10) e esteve em casa de Pedro quinze dias (Gal. 1:18). Mas te dás conta de quanto é falsa esta declaração da Didaqué?
A Didaqué diz que os profetas são os nossos ‘Sumos Sacerdotes’ (XIII, 3). Isto não é verdade, porque nós temos um só Sumo Sacerdote que é Cristo Jesus; os profetas são só ministros de Deus estabelecidos para serem profetas.
A Didaqué diz: "Reuni-vos no dia do Senhor para a fracção do pão e agradecei, depois de haverdes confessado vossos pecados, para que vosso sacrifício seja puro’ (XIV, 1). O que se entende por sacrifício? A Ceia do Senhor? Parece mesmo que sim, com efeito, é citada para confirmação a mesma passagem de Malaquias (XIV, 3) que os padres tomam ainda hoje para sustentarem que a missa é a oblação de que fala o profeta Malaquias (1:11). Estamos diante da heresia papista que faz passar a ceia do Senhor pela repetição do sacrifício de Cristo.
Poderia citar-te outras falsidades ensinadas pela Didaqué, mas me fico por aqui, creio ter-te demonstrado que este é um documento falso atribuído aos apóstolos. No entanto, há crentes que o tomam como autêntico e o citam para sustento de algumas suas falsas doutrinas. Constatei pessoalmente isso, portanto está atento irmão. Sê prudente.

 

 

Índice