As curas, os milagres, e os sinais e prodĦgios 

 



No minist‚rio de Jesus Cristo

 

Jesus Cristo, o Filho de Deus, nos dias da sua carne expulsou muitos dem˘nios (ou espĦritos malignos) dos corpos dos endemoninhados libertando-os, e realizou curas, milagres, sinais e prodĦgios em grande n£mero; assim tantas foram as suas obras poderosas que JoĈo, o discĦpulo que Jesus amava, no fim do Evangelho por ele escrito diz: "Ora, h  ainda muitas outras coisas que Jesus fez; as quais, se fossem escritas uma por uma, julgo que nem o pr˘prio mundo poderia conter os livros que se escreveriam" (JoĈo 21:25). Isto significa, portanto, que as coisas feitas por Jesus escritas na BĦblia sĈo s˘ uma mĦnima parte das coisas que ele fez.

Jesus Cristo repreendia com autoridade os dem˘nios e eles saĦam dos corpos daqueles que os tinham; ele os repreendia pela ajuda do EspĦrito de Deus que estava sobre ele, como disse um dia …queles que o acusaram de expulsar os dem˘nios pela ajuda do PrĦncipe dos dem˘nios, isto ‚, Satan s (cfr. Mat. 12:22-32). Quando os dem˘nios o viam se lan‡avam por terra e come‡avam a gritar: "Que temos n˘s contigo, Jesus, Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem ‚s: o Santo de Deus!" (Lucas 4:34), e quando ele os repreendia saĦam gritando e dizendo: "Tu ‚s o Filho de Deus!" (Lucas 4:41), mas Jesus os repreendia e nĈo os deixava falar pois sabiam que ele era o Cristo de Deus. Jesus libertou endemoninhados cegos e mudos, e tamb‚m endemoninhados surdos, cuja cegueira, surdez e cujo mutismo eram causados por espĦritos malignos (cfr. Mat. 12:22; Marc. 9:25); como tamb‚m libertou endemoninhados que viam, ouviam e falavam. Os dem˘nios eram obrigados a sair diante do poder de Deus que estava com Jesus Cristo.

Jesus Cristo, al‚m de libertar os endemoninhados do domĦnio dos dem˘nios, curou muitos e muitos doentes atingidos por v rias enfermidades. Uma passagem do Evangelho escrito por Mateus diz : "E percorria Jesus toda a Galil‚ia, ensinando nas suas sinagogas e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as doen‡as e enfermidades entre o povo. E a sua fama correu por toda a SĦria; e trouxeram-lhe todos os que padeciam, acometidos de v rias doen‡as e tormentos, os endemoninhados, os lun ticos, e os paralĦticos; e ele os curou" (Mat. 4:23-24). Algumas das muitĦssimas curas por ele realizadas foram estas: a cura de um leproso (cfr. Mat. 8:1-4), e a de dez leprosos de uma s˘ vez (cfr. Lucas 17:11-19); a cura do servo do centuriĈo romano o qual estava paralĦtico (cfr. Mat. 8:5-13); a cura da sogra de Pedro afectada por uma grande febre (cfr. Mat. 8:14-15; Lucas 4:38-39); a cura de uma mulher que tinha um fluxo de sangue h  doze anos (cfr. Mar. 5:25-34); a cura de um cego de nascen‡a (cfr. JoĈo 9:1-38) e de outros dois cegos (cfr. Mat. 9:27-31); a cura de um homem que tinha a mĈo mirrada (cfr. Mat. 12:9-14); a cura de uma mulher que andava curvada (cfr. Lucas 13:10-17); a cura de um hidr˘pico (cfr. Lucas 14:1-6); a cura de um homem paralĦtico h  trinta e oito anos (cfr. JoĈo 5:1-9) e a cura de um outro paralĦtico que foi levado a ele sobre um leito por quatro pessoas as quais por causa da multidĈo que havia ao redor de Jesus descobriram o telhado da casa e o baixaram diante dele (cfr. Mar. 2:1-12); a cura de um surdo mudo de Dec polis (cfr. Mar. 7:32-37). Todas as curas Jesus as realizou porque  "o poder do Senhor estava com ele para curar" (Lucas 5:17).

Jesus Cristo realizou muitos milagres, como quando com cinco pĈes e dois peixes matou a fome a uma multidĈo de cerca de cinco mil pessoas sem contar as mulheres e as crian‡as (cfr. Mat. 14:15-21); ou como quando com sete pĈes e poucos peixinhos matou a fome a uma multidĈo de quatro mil pessoas sem contar as mulheres e as crian‡as (cfr. Mat. 15:32-39). Ou como quando ressuscitou mortos, como no caso da filha de Jairo (cfr. Mar. 5:35-43); no caso de L zaro que tinha morrido h  quatro dias (cfr. JoĈo 11:1-46), e no caso do filho da vi£va de Naim que foi ressuscitado enquanto era levado a sepultar (cfr. Lucas 7:11-17).

Jesus Cristo realizou tamb‚m o prodĦgio de andar sobre as  guas do mar da Galileia (cfr. Mat. 14:24-33), o prodĦgio de acalmar com a palavra uma tempestade (cfr. Mat. 8:23-27); e o prodĦgio de secar uma figueira amaldi‡oando-a  (cfr. Mat. 21:18-22).

Em verdade Jesus Cristo realizou grandes coisas, como disse Pedro, Deus aprovou o seu servo Jesus entre os Judeus com milagres, sinais e prodĦgios que Deus fez por meio dele (cfr. Actos 2:22).

 

No minist‚rio dos ap˘stolos e de outros servos de Deus 

 

Jesus Cristo, nos dias da sua carne, ap˘s ter escolhido doze discĦpulos os enviou a pregar o reino de Deus dando-lhes o poder de expulsar os dem˘nios e de curar as doen‡as conforme est  escrito: "Ora Jesus, reunindo os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os dem˘nios, e para curarem doen‡as; e enviou-os a pregar o reino de Deus, e a curar os enfermos" (Lucas 9:1), e tamb‚m o que ele lhes disse: "Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, limpai os leprosos, expulsai os dem˘nios…" (Mat. 10:8), coisas que os ap˘stolos fizeram, de facto est  escrito: "E, saindo eles, pregavam que se arrependessem; e expulsavam muitos dem˘nios, e ungiam muitos enfermos com ˘leo, e os curavam" (Mar. 6:12-13).

Depois que Jesus Cristo morreu e ressuscitou apareceu aos onze aos quais disse: "Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for baptizado ser  salvo; mas quem nĈo crer ser  condenado. E estes sinais acompanharĈo aos que crerem: em meu nome expulsarĈo os dem˘nios; falarĈo novas lĦnguas; pegarĈo em serpentes; e se beberem alguma coisa mortĦfera, nĈo lhes far  dano algum; e porĈo as mĈos sobre os enfermos, e os curarĈo. Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no c‚u, e assentou-se … direita de Deus. Eles, pois, saindo, pregaram por toda parte, operando com eles o Senhor, e confirmando a Palavra com os sinais que os acompanhavam" (Mar. 16:14-20). Como se pode ver, os ap˘stolos, tamb‚m depois que Jesus foi recebido no c‚u, continuaram a expulsar os dem˘nios e a curar os doentes em nome de Jesus Cristo. Isto ‚ confirmado por aquilo que Lucas diz nos Actos dos ap˘stolos: "E muitos sinais e prodĦgios eram feitos entre o povo pelas mĈos dos ap˘stolos. E estavam todos de comum acordo no p˘rtico de SalomĈo. Dos outros, por‚m, nenhum ousava ajuntar-se a eles; mas o povo os tinha em grande estima; e cada vez mais se agregavam crentes ao Senhor em grande n£mero tanto homens como mulheres, a ponto de transportarem os enfermos para as ruas, e os porem em leitos e macas, para que ao passar Pedro, ao menos sua sombra cobrisse alguns deles. Tamb‚m das cidades circunvizinhas afluĦa muita gente a Jerusal‚m, conduzindo enfermos e atormentados de espĦritos imundos, os quais eram todos curados" (Actos 5:12-16). De Pedro e JoĈo est  registada a cura do coxo … porta do templo chamada ‘Formosa’: "Pedro e JoĈo subiam ao templo … hora da ora‡Ĉo, a nona. E, era carregado um homem, coxo de nascen‡a, o qual todos os dias punham … porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmolas aos que entravam. Ora, vendo ele a Pedro e JoĈo, que iam entrando no templo, pediu que lhe dessem uma esmola. E Pedro, com JoĈo, fitando os olhos nele, disse: Olha para n˘s. E ele os olhava atentamente, esperando receber deles alguma coisa. Disse-lhe Pedro: NĈo tenho prata nem ouro; mas o que tenho, isso te dou: Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda. Nisso, tomando-o pela mĈo direita, o levantou; imediatamente os seus p‚s e artelhos se firmaram e, dando ele um salto, p“s-se em p‚ e come‡ou a andar; e entrou com eles no templo, andando, saltando e louvando a Deus. Todo o povo, ao vˆ-lo andar e louvar a Deus, reconhecia-o como o mesmo que estivera sentado a pedir esmola … Porta Formosa do templo; e todos ficaram cheios de pasmo e assombro, pelo que lhe acontecera" (Actos 3:1-10). De Pedro est  registada uma outra cura, a de En‚ias que era paralĦtico e a ressurrei‡Ĉo de uma discĦpula morta de nome Tabita: "E aconteceu que, passando Pedro por toda parte, veio tamb‚m aos santos que habitavam em Lida. E achou ali certo homem, chamado En‚ias, que havia oito anos jazia numa cama, porque era paralĦtico. E disse-lhe Pedro: En‚ias, Jesus Cristo te cura; levanta-te e faz a tua cama. E logo se levantou. E viram-no todos os que habitavam em Lida e Sarona, os quais se converteram ao Senhor. Havia em Jope uma discĦpula por nome Tabita, que traduzido quer dizer Dorcas, a qual estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. Ora, aconteceu naqueles dias que ela, adoecendo, morreu; e, tendo-a lavado, a colocaram no cen culo. Como Lida era perto de Jope, ouvindo os discĦpulos que Pedro estava ali, enviaram-lhe dois homens, rogando-lhe: NĈo te demores em vir ter connosco. Pedro levantou-se e foi com eles; quando chegou, levaram-no ao cen culo; e todas as vi£vas o cercaram, chorando e mostrando-lhe as t£nicas e vestidos que Dorcas fizera enquanto estava com elas. Mas Pedro, tendo feito sair a todos, p“s-se de joelhos e orou; e voltando-se para o corpo, disse: Tabita, levanta-te. Ela abriu os olhos e, vendo a Pedro, sentou-se. Ele, dando-lhe a mĈo, levantou-a e, chamando os santos e as vi£vas, apresentou-lha viva. Tornou-se isto not˘rio por toda a Jope, e muitos creram no Senhor" (Actos 9:32-43).

Isto no que diz respeito aos ap˘stolos que tinham estado com Jesus, mas houveram tamb‚m os outros ap˘stolos escolhidos por Cristo que operaram curas, sinais e prodĦgios em nome de Cristo. De Paulo e Barnab‚ ‚ dito que se demoraram muito tempo em Ic˘nio "pregando com franqueza, confiados no Senhor, o qual dava testemunho … palavra da sua gra‡a, concedendo que por suas mĈos se fizessem sinais e prodĦgios" (Actos 14:3), de Paulo ‚ dito este facto ocorrido em Listra: "Em Listra estava sentado um certo homem aleijado dos p‚s, coxo de nascen‡a e que nunca tinha andado. Este ouviu falar Paulo, que, fitando nele os olhos e vendo que tinha f‚ para ser curado, disse em alta voz: Levanta-te direito sobre os teus p‚s. E ele saltou, e andou" (Actos 14:8-10), e este outro facto ocorrido na ilha de Malta: "Ora, nos arredores daquele lugar havia umas herdades que pertenciam ao homem principal da ilha, por nome P£blio, o qual nos recebeu e hospedou bondosamente por trˆs dias. E aconteceu estar de cama, enfermo de febre e disenteria, o pai de P£blio; Paulo foi visit -lo, e havendo orado, imp“s-lhe as mĈos, e o curou. Feito isto, vieram tamb‚m os demais enfermos da ilha, e foram curados" (Actos 28:7-9).

Al‚m dos ap˘stolos realizaram sinais e prodĦgios tamb‚m EstˆvĈo e Filipe que nĈo eram ap˘stolos; do primeiro ‚ dito: "Ora, EstˆvĈo, cheio de gra‡a e de poder, fazia grandes prodĦgios e sinais entre o povo" (Actos 6:8) e do segundo: "E, descendo Filipe … cidade de Samaria lhes pregava a Cristo. E as multidäes unanimemente prestavam aten‡Ĉo ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia; pois que os espĦritos imundos saĦam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralĦticos e coxos eram curados. E houve grande alegria naquela cidade" (Actos 8:5-8).

 

Os sinais e os prodĦgios  

 

Na BĦblia estĈo transcritas manifesta‡äes do poder de Deus que sĈo chamadas sinais e prodĦgios ou milagres e que nĈo incluem curas. Trata-se de v rios portentos operados por Deus atrav‚s dos seus servos. Eis alguns destes portentos.

Mois‚s, depois que Deus lhe deu a ordem de descer ao Egipto para libertar o seu povo e a autoridade de operar prodĦgios, operou estes portentos no Egipto. Os primeiros portentos foram os da serpente e da mĈo leprosa que ele operou diante dos anciĈos de Israel (na realidade foi ArĈo depois a fazˆ-los). Mois‚s p“de operar estes portentos em virtude do facto de ter sido Deus a dizer-lhe para oper -los quando lhe tinha aparecido; eis a circunstƒncia. "EntĈo respondeu Mois‚s: Mas eis que nĈo me crerĈo, nem ouvirĈo a minha voz, pois dirĈo: O Senhor nĈo te apareceu. Ao que lhe perguntou o Senhor: Que ‚ isso na tua mĈo. Disse Mois‚s: uma vara. Ordenou-lhe o Senhor: Lan‡a-a no chĈo. Ele a lan‡ou no chĈo, e ela se tornou em cobra; e Mois‚s fugiu dela. EntĈo disse o Senhor a Mois‚s: Estende a mĈo e pega-lhe pela cauda. Estendeu ele a mĈo e lhe pegou, e ela se tornou em vara na sua mĈo. Isto far s, disse o Senhor, para que eles creiam que te apareceu o Senhor, o Deus de seus pais, o Deus de AbraĈo, o Deus de Isaque e o Deus de Jac˘. Disse-lhe mais o Senhor: Mete agora a mĈo no seio. E meteu a mĈo no seio. E quando a tirou, eis que a mĈo estava leprosa, branca como a neve. Disse-lhe ainda: Torna a meter a mĈo no seio. E tornou a meter a mĈo no seio; depois tirou-a do seio, e eis que se tornara como o restante da sua carne. E suceder  que, se eles nĈo te crerem, nem atentarem para o primeiro sinal, crerĈo ao segundo sinal. E se ainda nĈo crerem a estes dois sinais, nem ouvirem a tua voz, entĈo tomar s da  gua do rio, e a derramar s sobre a terra seca; e a  gua que tomares do rio tornar-se-  em sangue sobre a terra seca" (Ex. 4:1-9).

Os portentos posteriores foram o da vara transformada em serpente que ele e ArĈo operaram diante de Fara˘ conforme est  escrito: "Falou, pois, o Senhor a Mois‚s e ArĈo, dizendo: Quando Fara˘ vos falar e disser: Fazei um prodĦgio; dir s a ArĈo: Toma a tua vara, lan‡a-a diante de Fara˘, e se tornar  em serpente. EntĈo Mois‚s e ArĈo foram ter com Fara˘, e fizeram assim como o Senhor ordenara. ArĈo lan‡ou a sua vara diante de Fara˘ e diante dos seus servos, e ela se tornou em serpente. Fara˘ tamb‚m mandou vir os s bios e encantadores; e eles, os magos do Egipto, tamb‚m fizeram o mesmo com os seus encantamentos. Pois cada um deles lan‡ou a sua vara, e elas se tornaram em serpentes; mas a vara de ArĈo tragou as varas deles" (Ex. 7:8-12). E todas as pragas que Deus enviou contra os EgĦpcios conforme est  escrito nos Salmos: "Enviou Mois‚s, seu servo, e ArĈo, a quem escolhera, os quais executaram entre eles os milagres por ele ordenados, fizeram prodĦgios na terra de CĈo. Enviou as trevas e fez escurecer o ar; contudo nĈo observaram as suas palavras. Converteu-lhes as  guas em sangue, e fez morrer os seus peixes. A terra deles produziu rĈs em abundƒncia, at‚ nas cƒmaras dos seus reis. Ele falou, e vieram enxames de moscas venenosas e mosquitos em todo o seu territ˘rio. Deu-lhes saraiva por chuva, e chamas de fogo na sua terra. Feriu-lhes tamb‚m as suas vinhas e os seus figueirais, e destro‡ou as  rvores do seu territ˘rio. Ele falou, e vieram gafanhotos, e pulgäes em quantidade inumer vel, que comeram toda a erva da sua terra, e devoraram o fruto dos seus campos. Feriu tamb‚m todos os primog‚nitos da terra deles, as primĦcias de toda a sua for‡a" (Sal. 105:26-36). E a estes se seguiram todos os sinais e os prodĦgios operados por Deus atrav‚s de Mois‚s no deserto; a divisĈo do Mar Vermelho, a rocha que fez jorrar  gua, etc. Em virtude de todas estas obras poderosas realizadas por Mois‚s ‚ dito: "E nunca mais se levantou em Israel profeta como Mois‚s, a quem o Senhor conhecesse face a face, nenhum foi semelhante a ele em todos os sinais e milagres que Deus o enviou para fazer na terra do Egipto, contra Fara˘, contra todos os seus servos, e contra toda a sua terra; nem semelhante nos actos poderosos e em todas as grandes e tremendas coisas, que Mois‚s operou aos olhos de todo o Israel" (Deut. 34:11-12).

No tempo do rei JeroboĈo, um homem de Deus vindo de Jud  a Betel operou um prodĦgio diante do rei que ‚ o seguinte: "Eis que, por ordem do Senhor, veio de Jud  a Betel um homem de Deus; e JeroboĈo estava junto ao altar, para queimar incenso. E o homem clamou contra o altar, por ordem do Senhor, dizendo: Altar, altar! assim diz o Senhor: Eis que um filho nascer  … casa de Davi, cujo nome ser  Josias; o qual sacrificar  sobre ti os sacerdotes dos altos lugares que sobre ti queimam incenso, e ossos de homens se queimarĈo sobre ti. E deu naquele mesmo dia um sinal milagroso, dizendo: Este ‚ o sinal de que o Senhor falou: eis que o altar se fender , e a cinza que est  sobre ele se derramar . Sucedeu pois que, ouvindo o rei JeroboĈo a palavra que o homem de Deus clamara contra o altar de Betel, estendeu a mĈo de sobre o altar, dizendo: Pegai-o! E logo, a mĈo que estendera contra ele secou-se, de modo que nĈo podia tornar a trazˆ-la a si. E o altar se fendeu, e a cinza se derramou do altar, conforme o sinal que o homem de Deus, por ordem do Senhor, havia dado. EntĈo respondeu o rei, e disse ao homem de Deus: Suplica ao Senhor teu Deus, e roga por mim, para que se me restitua a minha mĈo. Pelo que o homem de Deus suplicou ao Senhor, e a mĈo do rei se lhe restituiu, e ficou como dantes" (1 Re 13:1-6).

Quando no Novo Testamento se lˆ de algu‚m que Deus operou sinais e prodĦgios atrav‚s dele, entre estas obras poderosas por ele realizadas podem ter estado tranquilamente tamb‚m obras que nĈo tiveram nada que ver com a cura de uma pessoa. Ali s, temos prova disso no facto que de Jesus de quem ‚ dito que Deus operou atrav‚s dele sinais e prodĦgios no meio dos Judeus (cfr. Actos 2:22), sabermos que Ele ressuscitou mortos, ordenou a uma figueira que secasse, multiplicou pĈes e peixes, e andou sobre a  gua; obras estas que nĈo sĈo curas.

Quando, portanto, a Escritura fala do dom de poder de operar milagres refere-se ao dom de operar sinais e prodĦgios semelhantes aos que Deus fez operar a estes seus servos no passado ou, em todo o caso, obras poderosas que sĈo diferentes das curas.

 

As curas e os milagres na Igreja do Deus vivo hoje  

 

Como vimos, no passado, quer enquanto Jesus Cristo estava sobre a terra, quer ap˘s a sua assun‡Ĉo ao c‚u, Deus operou obras poderosas atrav‚s do seu Filho, dos seus ap˘stolos e de outros seus servidores. A este ponto algu‚m se perguntar : ‘Mas hoje, tanto tempo depois, estas curas, estas liberta‡äes, estas ressurrei‡äes, estes sinais e prodĦgios, sĈo coisas que podem suceder? SĈo coisas que devemos esperar ou desejar ver no nosso meio? SĈo coisas necess rias e £teis como o foram naqueles tempos?’ A minha resposta a todas estas perguntas ‚: ‘Sim, sem d£vida’.

Estas coisas podem suceder porque o Deus que as realizou atrav‚s de Jesus Cristo e depois atrav‚s dos ap˘stolos e depois atrav‚s de EstˆvĈo e Filipe, nĈo morreu e nĈo mudou; Ele est  vivo e nĈo muda. O seu poder ‚ ainda o mesmo, imenso, por isso ainda hoje pode fazer as coisas que fez no passado. Se ‚ verdade que as coisas impossĦveis para os homens sĈo possĦveis para Deus (cfr. Lucas 18:27), isso significa que Deus ainda hoje faz o impossĦvel que o homem nĈo pode fazer. Ou vamos dizer que as coisas impossĦveis para os homens eram possĦveis para Deus apenas nos dias de Jesus e dos ap˘stolos? Quem ousar  dizer uma semelhante coisa?

Estas coisas sĈo coisas que devemos esperar e desejar que aconte‡am porque Deus quer oper -las ainda hoje no meio da sua Igreja por meio dos seus filhos. N˘s nĈo esperamos que Deus envie o seu Filho para morrer e ressuscitar, porque estas coisas j  nĈo fazem parte da sua vontade tendo-as realizado uma vez para sempre, mas no que diz respeito …s obras poderosas Ele ainda as quer realizar porque ainda hoje quer demonstrar ou confirmar que o Evangelho ‚ a sua Palavra e ele ‚ verdade. Jesus Cristo um dia falando das obras poderosas que fazia disse: "Mas o testemunho que eu tenho ‚ maior do que o de JoĈo; porque as obras que o Pai me deu para realizar, as mesmas obras que fa‡o dĈo testemunho de mim que o Pai me enviou" (JoĈo 5:36). Portanto, se as obras poderosas realizadas pelo pr˘prio Jesus Cristo confirmavam que o Pai o tinha enviado, for‡osamente as obras poderosas realizadas em nome de Jesus Cristo (que sĈo feitas por Cristo atrav‚s dos seus servidores) nĈo fazem mais do que confirmar que Ele ‚ Aquele que Deus enviou ao mundo para salvar o mundo. Quer Deus confirmar isto? Certamente, porque ‚ parte integrante, direi fundamental do Evangelho da gra‡a de Deus. Devemos desejar que estas coisas aconte‡am porque Deus nos ordena na sua Palavra desejar ardentemente os dons espirituais (cfr. 1 Cor. 12:31) entre os quais estĈo os dons de poder de operar milagres, os dons de curar e o dom da f‚. , pois, perfeitamente normal desejar fazer obras poderosas ou vˆ-las fazer a algum santo servidor de Deus. TĈo normal que os discĦpulos antigos oraram para que Deus confirmasse a sua Palavra com curas, sinais e prodĦgios: ouvi aquilo que diz Lucas nos actos dos ap˘stolos a prop˘sito da ora‡Ĉo que os discĦpulos elevaram a Deus depois que Pedro e JoĈo foram soltos e devolvidos aos seus: "E, soltos eles, foram para os seus, e contaram tudo o que lhes disseram os principais dos sacerdotes e os anciĈos. E, ouvindo eles isto, unƒnimes levantaram a voz a Deus, e disseram: Senhor, tu ‚s o Deus que fizeste o c‚u, e a terra, e o mar e tudo o que neles h ; que pelo EspĦrito Santo, por boca de nosso pai Davi, teu servo, disseste: Por que bramaram as gentes, e os povos pensaram coisas vĈs? Levantaram-se os reis da terra, e os prĦncipes se ajuntaram … uma, contra o Senhor e contra o seu Ungido. Porque verdadeiramente contra o teu santo Servo Jesus, que tu ungiste, se ajuntaram, nĈo s˘ Herodes, mas P“ncio Pilatos, com os gentios e os povos de Israel; para fazerem tudo o que a tua mĈo e o teu conselho tinham anteriormente determinado que se havia de fazer. Agora, pois, ˘ Senhor, olha para as suas amea‡as, e concede aos teus servos que falem com toda a franqueza a tua palavra; enquanto estendes a tua mĈo para curar, e para que se fa‡am sinais e prodĦgios pelo nome de teu santo Servo Jesus" (Actos 4:23-30). Alguma vez oraste neste sentido? Se nunca o fizeste, come‡a-o a fazer.

Estas coisas sĈo £teis porque sĈo realizadas por Deus e qualquer coisa que Deus faz ‚ £til. SĈo £teis porque demonstram que o Evangelho que ‚ pregado por ordem de Deus nĈo ‚ uma filosofia, nĈo ‚ uma f bula, nĈo ‚ uma inven‡Ĉo humana, mas a mensagem do Deus vivo para a humanidade inteira e que, portanto, ‚ digno de ser aceite plenamente. O Senhor operava com os ap˘stolos confirmando com os sinais a Palavra que eles pregavam (cfr. Mar. 16:20). Quando os ap˘stolos Paulo e Barnab‚ foram a Ic˘nio a Escritura diz que "eles, entretanto, se demoraram ali por muito tempo, pregando com franqueza, confiados no Senhor, o qual dava testemunho … palavra da sua gra‡a, concedendo que por suas mĈos se fizessem sinais e prodĦgios" (Actos 14:3). Logo, se se quiser que Deus confirme a sua Palavra que ‚ pregada como fazia antigamente entĈo deve-se desejar que Ele a acompanhe com sinais e prodĦgios. Os sinais e os prodĦgios, precisamente porque sĈo realizados por Deus por esta razĈo, sĈo realizados em vista da salva‡Ĉo das almas e, de facto, Paulo dizia: "Tenho, portanto, de que gloriar-me em Cristo Jesus, no que concerne …s coisas de Deus; porque nĈo ousarei dizer coisa alguma que Cristo nĈo tenha feito por meu interm‚dio, para obediˆncia dos Gentios, em palavra e em obra, com poder de sinais e prodĦgios, com poder do EspĦrito Santo" (Rom. 15:17-19). Notem-se as palavras ‘para obediˆncia dos Gentios’ que tornam muito claro o conceito por mim expresso. Mas dizei-me: ‘Mas nĈo ‚ porventura verdade que na Escritura muitos creram no Evangelho justamente ap˘s ter visto ou ouvido falar de uma cura ou de um milagre realizados em nome de Jesus?’ Tomemos o caso da cura de En‚ias o paralĦtico: nĈo est  porventura escrito que depois que Pedro o curou em nome de Jesus "viram-no todos os que habitavam em Lida e Sarona, os quais se converteram ao Senhor" (Actos 9:35)? E que dizer, depois, do caso da ressurrei‡Ĉo de Tabita; nĈo est  porventura escrito que "tornou-se isto not˘rio por toda a Jope, e muitos creram no Senhor" (Actos 9:42)? E nĈo ‚ porventura verdade que em Samaria as multidäes unanimemente "prestavam aten‡Ĉo ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia" (Actos 8:6)? Mas ainda antes destes factos, quando Jesus pregava entre os Judeus, nĈo ‚ porventura verdade que em Jerusal‚m "muitos, vendo os sinais que fazia, creram no seu nome" (JoĈo 2:23)? E nĈo ‚ porventura verdade que tamb‚m os discĦpulos de Jesus creram nele depois que o viram operar o seu primeiro milagre em Can  da Galileia, onde transformou a  gua em vinho (cfr. JoĈo 2:11)? E que dizer de quando Jesus ressuscitou L zaro, que estava morto h  quatro dias? NĈo est  porventura escrito que "muitos, pois, dentre os Judeus que tinham vindo visitar Maria, e que tinham visto o que Jesus fizera, creram nele" (JoĈo 11:45)? E de quando Jesus matou a fome …s multidäes com cinco pĈes e dois peixes; nĈo est  porventura escrito: "Vendo, pois, aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito, diziam: Este ‚ verdadeiramente o profeta que devia vir ao mundo" (JoĈo 6:14)? Logo as curas e os milagres realizados em nome de Jesus Cristo, pelo poder do EspĦrito Santo, sĈo £teis para atrair as almas a Cristo. Certo, nem todos ao ver os sinais e os prodĦgios se converterĈo a Cristo, tanto ‚ que j  nos dias de Jesus Cristo muitos ao ver as suas obras poderosas nĈo se arrependeram e Jesus os repreendeu por isso. Est  escrito: "EntĈo come‡ou ele a lan‡ar em rosto …s cidades onde se operara a maior parte dos seus milagres, o nĈo se haverem arrependido, dizendo: Ai de ti, Corazin! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom, se tivessem operado os milagres que em v˘s se operaram, h  muito elas se teriam arrependido em cilĦcio e em cinza. Contudo, eu vos digo que para Tiro e Sidom haver  menos rigor, no dia do juĦzo, do que para v˘s. E tu, Cafarnaum, porventura ser s elevada at‚ o c‚u? At‚ o inferno descer s; porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres que em ti se operaram, teria ela permanecido at‚ hoje. Contudo, eu vos digo que no dia do juĦzo haver  menos rigor para a terra de Sodoma do que para ti" (Mat. 11:20-24). Mas ‚ igualmente certo que alguns se converterĈo a Cristo somente vendo as obras poderosas realizadas em seu nome conforme disse Jesus: "Se nĈo virdes sinais e milagres, nĈo crereis" (JoĈo 4:48).

As obras poderosas de Deus sĈo £teis porque confirmam na f‚ os crentes, no sentido que elas refor‡am a f‚ em Cristo, encorajam a perseverar na f‚. Quem de n˘s ap˘s ter obtido de Deus o atendimento de uma ora‡Ĉo para uma necessidade particular (aqui excluo a necessidade de uma cura ou de um milagre) nĈo se sentiu refor‡ado na f‚ porque p“de constatar que Deus ouve verdadeiramente as nossas ora‡äes e as atende como diz a sua Palavra? Se pois uma ora‡Ĉo a Deus em que nĈo se lhe pede uma cura nem a ressurrei‡Ĉo de um morto, leva o crente a ser mais forte espiritualmente, por que ‚ que uma interven‡Ĉo de Deus sobre o corpo de um doente ou de um morto nĈo haveria de ter o mesmo efeito? Quando Paulo disse aos santos de Roma: "Porque desejo muito ver-vos, para vos comunicar algum dom espiritual, a fim de que sejais fortalecidos" (Rom. 1:11), como entre os dons espirituais estavam tamb‚m o de curar, o de poder de operar milagres e o da f‚, fez claramente perceber que tamb‚m estas manifesta‡äes do EspĦrito de Deus (curas, sinais e prodĦgios) contribuem para fortalecer espiritualmente os santos.

As obras poderosas de Deus levam os crentes a glorificar o nome de Deus coisa em que Deus tem prazer. NĈo est  porventura escrito que quando Paulo em Jerusal‚m se p“s a contar uma por uma as coisas que Deus tinha feito entre os Gentios por meio do seu minist‚rio, os anciĈos da Igreja, ouvindo-as, glorificavam a Deus (cfr. Actos 21:19-20)? E assim tamb‚m hoje as curas e os milagres realizados em nome de Jesus fazem glorificar a Deus.

As obras poderosas de Deus suprem a necessidades. Por exemplo, crian‡as e adultos enfermos de doen‡as incur veis, pr˘ximos da morte, recebem de Deus a cura e o prolongamento da sua vida. Colocai-vos na situa‡Ĉo de um rapaz que tem um cancro e a quem foi dito que tem poucos meses ou poucos dias de vida: pensais v˘s que queira morrer? Pensais v˘s que nĈo ficaria contente se algu‚m o pudesse curar em nome de Jesus Cristo? Pensais v˘s que um pai e uma mĈe que tˆm o seu  menino perto da sepultura, nĈo ficariam contentes se o Senhor Jesus lhes curasse o seu menino? O que admira ‚ que as pessoas do mundo se esfor‡am muito para prolongar com os meios que tˆm a vida aos doentes, e muitos crentes nĈo fazem nada para poder prolongar a vida a estas pessoas, no sentido que nĈo s˘ nĈo querem receber os dons de curar ou de poder de operar milagres, mas nem sequer oram por estas almas. Como se o nosso Deus fosse um Deus incapaz de curar ainda hoje os doentes, em resposta a uma ora‡Ĉo ou mediante a manifesta‡Ĉo de um dom particular dado a um seu servo. Ah! Parte-se-me o cora‡Ĉo ao ver estes crentes INCRDULOS no poder de Deus. Eu os conhe‡o, conhe‡o os seus raciocĦnios: 'Deus para aqui e Deus para ali' etc.., mas na base destes raciocĦnios h  uma profunda incredulidade no Deus que eles dizem conhecer.

Portanto, que se encorajem os doentes, tanto crentes como incr‚dulos, a ter f‚ em Cristo para obter a cura, e se ore por eles para a sua cura. NĈo importa se ‚s um simples crente, ou um anciĈo de uma igreja, tu deves encorajar o doente a ter f‚ em Cristo, e orar por ele, se ele desejar ser curado. No caso de tu seres um pastor ou um anciĈo de igreja, tens o dever, quando o doente te chamar, de orar com f‚ sobre ele ungindo-o com azeite em nome do Senhor porque assim diz Tiago: "Est  algu‚m entre v˘s doente? Chame os anciĈos da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a ora‡Ĉo da f‚ salvar  o doente, e o Senhor o levantar ; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-Ĉo perdoados" (Tiago 5:14-15).

E nĈo s˘, desejem-se tamb‚m os dons de curar e de poder de operar milagres, porque atrav‚s deles acontecem curas e milagres pelo EspĦrito Santo. NĈo importa se se ‚ simples crente sem nenhum ofĦcio na igreja, ou di cono, anciĈo ou pastor, desejem-se tamb‚m estes dons do EspĦrito Santo.

Por quanto diz respeito aos possessos, nĈo se os envie para os psiquiatras, mas quando forem trazidos ao local de culto para serem libertos, os santos ponham-se em ora‡Ĉo, e quem est  encarregado da condu‡Ĉo da comunidade repreenda os dem˘nios em nome de Jesus Cristo e os expulse dos corpos dos possessos. Fa‡a-o com autoridade, nĈo duvidando, e Deus operar .

Dirijo-me agora a ti que est s doente, nĈo importa de que doen‡a est s acometido e h  quanto tempo est s doente, sabe que Cristo ainda hoje ‚ poderoso para curar-te se tu creres com todo o cora‡Ĉo, o que tens de fazer ‚ crer n`Ele como fizeram nos dias de Jesus a mulher do fluxo de sangue, o cego de nome Bartimeu, e todos os outros doentes que ele curou, e entĈo ver s que "a tua cura apressadamente brotar " (Is. 58:8). Tem f‚, somente tem f‚!

 

Como acontece a cura 

 

A cura de um doente pode acontecer ou atrav‚s da imposi‡Ĉo das mĈos de um ministro do Evangelho, o qual impäe-lhe as mĈos em nome de Jesus ap˘s ter orado por ele. Como no caso de Paulo que ap˘s ter orado pelo pai de P£blio que jazia enfermo de febre e de disenteria, "imp“s-lhe as mĈos, e o curou" (Actos 28:8), ou como quando o doente chama os anciĈos da Igreja os quais o ungem em nome do Senhor e oram sobre ele. Ou ainda atrav‚s da imposi‡Ĉo das mĈos em nome de Jesus mas sem que esta imposi‡Ĉo das mĈos seja precedida ou seguida por uma particular ora‡Ĉo por ele. Quem impäe as mĈos sobre o doente pode simplesmente dizer-lhe: ‘Em nome de Jesus Cristo sˆ curado!’ Ali s Jesus disse: "Em meu nome… porĈo as mĈos sobre os enfermos, e os curarĈo" (Mar. 16:18). No que diz respeito a ungir os doentes com ˘leo para cur -los, isso ‚ bĦblico, de facto os ap˘stolos "ungiam muitos enfermos com ˘leo, e os curavam" (Mar. 6:13).

A cura de um doente pode acontecer tamb‚m sem a imposi‡Ĉo das mĈos e sem a un‡Ĉo do ˘leo mas somente com a ordem de um servo de Deus que tem os dons de curar, como no caso de Pedro que ordenou em nome de Jesus Cristo ao coxo que andasse (Actos 3:6), ou como no caso de Paulo que …quele homem coxo de nascen‡a que o estava ouvindo em  Listra lhe disse: "Levanta-te direito sobre os teus p‚s" (Actos 14:10).

A cura, por‚m, pode acontecer tamb‚m sem a imposi‡Ĉo das mĈos e sem a un‡Ĉo com ˘leo, e sem a ora‡Ĉo ou a ordem de algum crente, de facto pode suceder que o doente ‚ de repente curado pelo poder de Deus enquanto est  andando pela rua ou est  sentado numa cadeira ou est  deitado numa cama, ou que ao doente aparece Jesus Cristo em pessoa o qual impäe-lhe as mĈos ou diz-lhe simplesmente: ‘Eu te curo’, ou algo mais, sem lhe impor as mĈos.

Poder  tamb‚m suceder que a cura se obtenha atrav‚s de algum len‡o ou algum avental que esteve sobre algum homem de Deus com dons de curar e de poder de operar milagres, exactamente como aconteceu a muitos doentes na µsia nos dias de Paulo conforme est  escrito: "E Deus pelas mĈos de Paulo fazia milagres extraordin rios. De sorte que at‚ os len‡os e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espĦritos malignos saĦam" (Actos 19:11-12). Fa‡o questĈo de precisar, por‚m, que Paulo nĈo orava sobre esses len‡os e aventais, e que nĈo era ele que dizia para p“r os aventais e os len‡os sobre o seu corpo para lev -los depois aos doentes, digo isto porque hoje h  certos pregadores que fazem tais coisas.

E para acabar poder  tamb‚m suceder que algu‚m ‚ curado atrav‚s da sombra de um homem de Deus que o cobre, exactamente como aconteceu em Jerusal‚m nos dias dos ap˘stolos conforme est  escrito: "E a multidĈo dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais. De sorte que transportavam os enfermos para as ruas, e os punham em leitos e em camilhas para que ao menos a sombra de Pedro, quando este passasse, cobrisse alguns deles" (Actos 5:14-15); queria por‚m precisar que tamb‚m neste caso nĈo era Pedro que dizia para p“r os doentes pelas ruas para que ele os pudesse cobrir com a sua sombra.

Uma coisa, em todo o caso, deve ser dita, seja qual for o modo em que aconte‡a a cura, ela acontece por meio da f‚ do doente, ‚ a sua f‚ em Cristo de facto que o cura. Que disse Pedro … multidĈo de Judeus que se tinha reunido depois que ele tinha ordenado ao coxo que andasse em nome de Jesus? Ele disse: "E pela f‚ em seu nome fez o seu nome fortalecer a este homem que vedes e conheceis; sim, a f‚, que vem por ele, deu a este, na presen‡a de todos v˘s, esta perfeita sa£de" (Actos 3:16). Ainda hoje portanto ao doente curado deve-se dizer: ‘A tua f‚ te curou!’ Porventura nĈo dizia a mesma coisa Jesus aos doentes que ele curava? Segue-se, portanto, que na falta da f‚ por parte do doente, a cura nĈo pode acontecer. Como na falta da f‚ nĈo pode haver salva‡Ĉo, assim na falta da f‚ nĈo pode haver cura.

Uma outra coisa por fim que queria dizer ‚ esta, a cura deve ser pedida, deve ser desejada, e procurada; todavia o Senhor nĈo prometeu que ela estar  assegurada em todos os casos ao crente, porque h  alguns casos em que o Senhor decide nĈo curar por razäes que s˘ ele sabe. Uma destas pode ser porque decidiu levar consigo um crente para o c‚u. Neste caso, portanto, a doen‡a levar  o crente … sepultura como no caso do profeta Eliseu de quem se diz que "caiu doente com a doen‡a que o havia de conduzir … morte" (2 Re 13:14). De qualquer modo, ningu‚m se preocupe com estes casos, pe‡a-se sempre a cura e se a busque e pare-se de pedi-la a Deus s˘ se Deus revelar que decidiu a morte do crente ou quando o faz morrer porque chegou o seu tempo.

 

Alguns advertimentos 

 

Como acontece no campo das visäes, dos sonhos e das revela‡äes, que o diabo, que ‚ mentiroso e pai da mentira, faz mistifica‡äes para enganar tanto os incr‚dulos, como, sobretudo, os crentes, assim acontece no campo das curas, dos milagres e dos sinais e dos prodĦgios. O diabo, de facto, sabe perfeitamente que as curas, os milagres, os sinais e os prodĦgios  podem ser-lhe £teis para levar crentes a crer em heresias. E eis que entĈo suscita ministros seus a quem faz realizar estas coisas, mas obviamente estas coisas sĈo mentirosas porque sĈo produzidas por ele. A Escritura fala destes sinais e prodĦgios e nos päe severamente de sobreaviso contra todos aqueles que os realizam, nĈo importa a qual religiĈo perten‡am. Eis o que disse Jesus: "SurgirĈo falsos cristos e falsos profetas, e farĈo tĈo grandes sinais e prodĦgios que, se possĦvel fora, enganariam at‚ os escolhidos" (Mat. 24:24). Como podeis ver h  ministros de Satan s que realizam grandes sinais e prodĦgios com o intuito de enganar os crentes. Sempre houveram destas pessoas desde que Jesus proferiu essas palavras. Guardai-vos destes como vos guardarĦeis de serpentes venenosas, sĈo pessoas sem escr£pulos, que ensinam coisas perversas e diab˘licas. SĈo pessoas que agem assistidas pelos espĦritos maus, sĈo dadas de facto ao espiritismo, ao ocultismo.

Mas h  uma outra categoria de pessoas de quem deveis guardar-vos, e sĈo todos os que pregam o Evangelho (nĈo um outro Evangelho, mas o Evangelho da gra‡a de Deus), e com poder e com o EspĦrito Santo, e realizam milagres e curas em nome de Jesus e expulsam os dem˘nios em nome de Jesus, mas tˆm uma conduta Ħmpia que traz desonra ao Evangelho e ao nome de Deus. A sua vida est  cheia de desordem e de toda m  ac‡Ĉo, nĈo obstante as suas reuniäes sĈo assistidas por milhares de pessoas, muitos sĈo salvos e muitos doentes sĈo tamb‚m verdadeiramente curados mediante a sua f‚ em Jesus Cristo. Estes sĈo aqueles a quem um dia Jesus dir : "Apartai-vos de mim, v˘s que praticais a iniquidade" (Mat. 7:23) e isto porque recusaram santificar-se no temor de Deus e andar humildemente, piamente e santamente como conv‚m aos santos. Cuidai de v˘s mesmos e nĈo vos deixeis enganar pelas multidäes, e pelas pessoas que aceitam Cristo nas suas reuniäes ou que sĈo realmente curadas atrav‚s deles; deveis guardar-vos e desviar-vos deles porque est  escrito: "E rogo-vos, irmĈos, que noteis os que promovem dissensäes e escƒndalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles. Porque os tais nĈo servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os cora‡äes dos simples" (Rom. 16:17-18). Tu entĈo dir s: 'Mas entĈo as curas e os milagres que um crente realiza em nome de Jesus pelo EspĦrito Santo, nĈo sĈo uma evidente e incontrovertĦvel demonstra‡Ĉo que ele ‚ um santo homem de Deus?'. NĈo, nĈo est , de modo algum, dito que um homem poderoso em palavras e em obras seja necessariamente tamb‚m santo, justo e pio. Em alguns casos, estamos perante indivĦduos que na sua vida privada se comportam como animais irracionais; vivendo em pecados contr rios … natureza, em glutonarias, em bebedeiras, na lux£ria e na lascĦvia, na fraude e em toda a esp‚cie de injusti‡a. Aten‡Ĉo pois, simples como pombas mas prudentes como as serpentes.

 

Giacinto Butindaro

 

Öndice