Capítulo 1

História

 

A história dos que se chamam Testemunhas de Jeová está fortemente ligada à história dos seus três primeiros presidentes, ou seja, Charles Taze Russell, o seu fundador; Joseph Franklin Rutherford; e Nathan Homer Knorr. Nesta breve história das Testemunhas de Jeová falaremos portanto destes três homens. Depois daremos algumas notícias sobre elas,  e das cifras sobre a sua consistência numérica.

 

CHARLES TAZE RUSSELL

Russell nasceu a 16 de Fevereiro de 1852 em Allegheny (agora parte de Pittsburgh), na Pennsylvania, de pais que frequentavam uma Igreja presbiteriana. Na idade de cerca de quinze anos, nos é dito, ele teve uma ‘crise religiosa’ porque não conseguia conciliar a bondade de Deus com as doutrinas das penas eternas e da predestinação que eram ensinadas no seio da Igreja presbiteriana: ‘Um Deus que empregasse o seu poder para criar seres humanos os quais pré-conhecesse e predestinasse ao tormento eterno, não poderia ser nem sábio, nem justo ou amorável’, dizia Russell. Neste estado de alma, na idade de cerca de dezassete anos, numa sala de Allegheny, o jovem Russell assistiu a uma pregação de Jonas Wendell o qual anunciava o ano de 1874 como a data da volta visível e gloriosa de Cristo. Este Jonas Wendell fazia parte da igreja cristã adventista (uma igreja que ainda existe, mas que não deve ser confundida com a igreja adventista do sétimo dia) que era formada por aqueles que após o ‘grande desapontamento’ de 1844 (desapontamento se produzido por causa da falta de cumprimento da volta de Cristo predita por William Miller para esse ano) continuavam ainda a estabelecer novas datas sobre a volta de Cristo. Depois deste encontro com Wendell, Russell pôs-se a estudar a Bíblia com outros da sua idade. Também ele, apesar de não ter aderido à igreja cristã adventista, pôs-se a esperar a volta de Cristo (ele porém, sustentava que a volta de Cristo seria invisível, e não prestou atenção às argumentações relativas ao tempo porque as julgou ‘imerecedoras de atenção’). Veio também esse ano, e mais uma vez Cristo não voltou visivelmente conforme os cálculos feitos pelos cristãos-adventistas. Mais uma vez, porém, diante do grande desapontamento os desapontados decidiram optar pela ideia da ‘coisa errada no tempo certo’; em substância que a data de 1874 era a certa, mas o evento esperado para esse ano tinha sido o errado. Assim disseram que em 1874 tinha começado a presença invisível de Cristo, e que no espaço de quarenta anos, isto é, em 1914 viria o fim do mundo e começaria o milénio [ 1 ]. Entre estes que depois deste enésimo desapontamento adoptaram esta tese estava o cristão-adventista Nelson H. Barbour, com quem Russell se pôs a colaborar a partir de 1876 tornando-se depois ‘co-director’ com ele da revista Herald of the Morning (O Arauto da Manhã) em 1878. O motivo desta sua colaboração com Barbour foi que ele ficou convencido da tese de Barbour sobre o tempo do começo da presença invisível de Cristo. Desde esse momento em diante Russell durante toda a sua vida se dedicou muito para anunciar o ano de 1874 como data da volta invisível de Cristo [ 2 ]. Em 1879 Russell separou-se de Nelson Barbour (o motivo da separação - segundo o que disse Russell - foi porque Barbour começou a negar que a morte de Cristo fosse o preço do resgate por Adão e a sua raça), e começou a publicar a revista que depois se chamará A Sentinela. Em 1881 Russell fundou a Zion’s Watch Tower Tract Society que foi registada legalmente em 1884. Em 1896 esta sociedade assumirá o nome de Watch Tower Bible and Tract Society of Pennsylvania. Em 1897, Maria Frances Ackley, a mulher de Russell, separou-se de seu marido. Em 1903 ela depois requererá ao Tribunal civil e Penal de Pittsburgh o pedido de separação legal acusando seu marido - entre outras coisas - de conduta imprópria para com outras mulheres (não porém de adultério porque ela, sob juramento, disse que não considerava seu marido culpado de adultério). A causa foi debatida em 1906; e dois anos depois foi emitido um decreto com o veredicto ‘Divórcio’. Russell viajou muito, escreveu muito, pregou muito [ 3 ] e ganhou também muito pela venda dos seus livros e opúsculos. Teve que enfrentar diversos processos durante a sua vida, além daquele para o divórcio. Dentre eles queremos recordar o seguinte pela sua peculiaridade.

Em 1910 e 1911 A Sentinela publicitou um certo tipo de trigo que custava um dólar a libra e que, era dito, dava uma colheita cinco vezes superior à que dava o trigo comum; e os seguidores eram convidados a comprá-lo e o arrecadado iria para a Torre de Vigia e seria usado para publicar os sermões de Russell [4 ]. Então o Brooklyn Daily Eagle publicou uma vinheta caricaturística na qual apresentava Russell e o seu ‘trigo milagroso’. Russell então intentou uma causa por difamação contra o jornal pedindo uma indemnização de cem mil dólares. Mas a seguir a averiguações feitas por entidades governamentais, aquele trigo foi achado normalíssimo, antes ligeiramente inferior à qualidade comum de trigo; de maneira que o Eagle venceu a causa (cfr. Walter R. Martin - Norman H. Klann, Il Geova della Torre di Guardia [O Jeová da Torre de Vigia], Napoli, Sec. Ediz. 1977, pag. 18-20). 

Chegou também 1914 sem que nada daquilo que tinha sido preanunciado por Russell sucedesse. Mas ele não se rendeu, e lançou uma nova data; 1918. Mas em 1916 morreu. Se encontrava no Texas, num comboio; as suas últimas palavras foram: ‘Por favor envolvei-me numa toga romana’ (Watch Tower, 1 de Dezembro de 1916, pag. 365). O seu pedido foi atendido desta maneira; foi improvisada uma toga fazendo-a com lençol de carroça.

De Russell as Testemunhas de Jeová retêm ainda diversas doutrinas como a rejeição da Trindade e da Divindade de Cristo, a rejeição da personalidade e da divindade do Espírito Santo, a rejeição da ressurreição corporal de Jesus Cristo, a rejeição da volta visível de Cristo (Russell porém - como vimos - a volta invisível de Cristo a colocou em 1874), a rejeição da salvação por graça mediante só a fé, a negação da existência da alma imortal, e a negação do tormento eterno dos pecadores, e a doutrina da prova milenial (embora com alguma diferença como veremos depois). 

 

JOSEPH FRANKLIN RUTHERFORD

Morto Russell, em Janeiro de 1917 foi eleito presidente da sociedade Torre de Vigia, J. F. Rutherford que tinha sido o seu advogado durante os seus numerosos processos. Rutherford tinha nascido em 1869 de pais baptistas, e era sobrenomeado o ‘juiz’ porque durante a sua profissão de advogado em algumas ocasiões tinha sido chamado a substituir temporariamente o juiz regular no Décimo Quarto Distrito Judiciário do Missouri.

Chegou também 1918, e ainda todas as expectativas foram frustradas; Rutherford então deslocou a data para 1925 anunciando o fim do mundo para esse ano. O desapontamento de 1925 levou o juiz Rutherford a rever o sistema das datas e a fixar para 1914 a data da invisível vinda de Cristo à terra. Rutherford em 1931 fará assumir ao movimento dos Estudantes da Bíblia (assim o tinha chamado Russell) o nome de Testemunhas de Jeová baseando-se nas palavras de Isaías: "Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, e o meu servo, a quem escolhi" (Is. 43:10). Em 1935 o ‘juiz’ introduziu no movimento a doutrina segundo a qual só os 144.000 estão destinados a reinar no céu (e só eles são dignos de participar do pão e do cálice do Senhor), enquanto todos os outros, que fazem parte da grande multidão reinarão na terra eternamente; além disso afirmou que em 1918 se tinha verificado a ressurreição ‘espiritual’ dos 144.000 já mortos e Cristo tinha assumido o reino sobre a terra. Em 1936 depois, Rutherford, no seu livro (inglês) Riquezas, sustentará que Cristo não morreu numa cruz mas numa estaca (enquanto para Russell tinha morrido na cruz). 

Rutherford era um homem colérico e violento, e com base em diversos testemunhos era também dado a bebidas alcoólicas. ‘Embora as Testemunhas de Jeová tenham feito tudo o que era possível para esconder relatos dos hábitos de bebida do juiz, estes são simplesmente demasiado notórios para poderem ser negados. Ex-trabalhadores do quartel-general da Watch Tower em New York contam detalhadamente histórias sobre os seus estados de embriaguez. Outros contam histórias de como por vezes era difícil fazê-lo chegar à tribuna para dar discursos nos congressos, devido à sua embriaguez’ (M. James Penton, Apocalypse delayed: the story of Jehovah’s Witnesses [Apocalipse adiado: A história das Testemunhas de Jeová], Toronto (Canadá) 1988, pag. 72. O autor do livro é uma ex-Testemunha de Jeová). Rutherford viveu no luxo, como um príncipe.

 

NATHAN HOMER KNORR

Em 1942 Rutherford morreu, e o seu lugar foi tomado por Nathan Homer Knorr; também ele estabeleceu uma data profética; a de 1975 em que deviam passar seis mil anos desde a criação de Adão. Knorr preocupou-se em preparar as Testemunhas de Jeová para que fossem capazes de apresentar de maneira persuasiva a mensagem da organização. Foi sob a sua presidência, em 1943, que surgiu a escola bíblica de Gileade no estado de New York. Ainda sob a sua presidência, em 1946, surgiu entre as Testemunhas de Jeová a ideia de terem uma tradução das sagradas Escrituras sua para poderem mais adequadamente expor as suas peculiares doutrinas, e assim, formada uma Comissão de Tradução, teve início a tradução, ou melhor, a manipulação das sagradas Escrituras [ 5 ]. A edição completa desta chamada tradução foi publicada em 1961. Ainda nesse ano, A Sentinela declarou a absoluta proibição de qualquer transfusão de sangue sob pena de imediata expulsão da organização. ‘Se continuar a aceitar transfusões de sangue ou a doar sangue (...) Como rebelde opositor e infiel exemplo para os conservos da congregação cristã, ele deve ser cortado dela pela desassociação’ (A Sentinela , 15 Julho de 1961, pag. 446-448). 

Por volta de 1975 a organização da Sociedade Torre de Vigia sofreu uma mudança porque na direcção se pôs um Corpo Governante do qual o Presidente é só o representante dele. É precisamente este Corpo Governante (que é formado por uma quinzena de pessoas - o número varia no tempo - que residem geralmente na sede central em Brooklyn) que comanda a seu agrado milhões de Testemunhas de Jeová em todo o mundo. Knorr morreu em 1977. 

Estas são em extrema síntese as origens e a história desta seita até 1977; considerámos oportuno falar disto para fazer perceber como veio à existência esta outra pseudo-igreja de que se ouve falar muito e cujos aderentes não é difícil encontrar. 

 

CIFRAS E NOTÍCIAS VÁRIAS (Actualizadas pelo tradutor)

Segundo os seus dados, em 2005, no mundo as Testemunhas de Jeová eram 6.613.829 (notícia tirada de A Sentinela de 1.º de Fevereiro de 2006, pág. 19-22): por quanto diz respeito a Portugal os seus dados em 2005 declaravam 48.165 membros activos no serviço de porta em porta; em 2005, as três nações no mundo com mais Testemunhas de Jeová eram por ordem Estados Unidos (1.035.802), Brasil (637.655) e México (593.802) (dados tomados do seu Relatório Mundial de Serviço de 2005). Os seus periódicos oficiais que distribuem são A Sentinela e Despertai! [ 6 ]. As suas tipografias das quais até agora saíram centenas de milhões de cópias destas duas revistas, e milhões de livros, brochuras, folhetos, etc., estão entre as maiores do mundo. Elas se reúnem em lugares chamados Salões do Reino. Em Itália conseguiram o reconhecimento jurídico por parte do Estado italiano, em Outubro de 1986.

Dentre aqueles que não fazem parte das Testemunhas de Jeová mas tiveram origem igualmente em Russell assinalamos os seguintes grupos.

A Associação Cristã do Milénio (Christian Millennial Fellowship) que publica a revista New Creation. Surgiu no Connecticut (USA) entre emigrantes italianos e tem a sua sede internacional em Hampton, New Jersey. Recusa as modificações introduzidas por Rutherford depois da morte de Russell.

Os Estudantes da Bíblia da Aurora (Dawn Bible Students) que recusaram também eles aceitar as inovações de Rutherford. 

Os Estudantes da Bíblia Bereanos, de origem americana; se atêm às ideias de Russell e recusam as inovações posteriores. 

Os Amigos do Homem, ou seja, a Igreja do Reino de Deus fundada por F. L. Alexander Freytag (1870-1947), que conta com alguns milhares de membros na Suíça, França, Alemanha, Bélgica e Itália. 

As Testemunhas de Jeová devem ser definidas testemunhas falsas porque difundem mentiras: a sabedoria de facto diz que "a testemunha falsa se desboca em mentiras" (Prov. 14:5). Certo, chamam-se Testemunhas de Jeová, mas na verdade elas não são testemunhas do Senhor, mas apenas impostores que sob este nome espalham heresias de perdição e enganam aqueles que caem nas suas redes habilmente construídas. Agora, com a ajuda de Deus confutarei as doutrinas daqueles que se chamam Testemunhas de Jeová, para que reconheçais a sua falsidade, vos guardeis delas e possais também vós mediante as Escrituras confutá-las quando se vos apresentar a ocasião de fazê-lo. 

 

 

NOTAS

 

[ 1] Como veremos, num outro livro, uma parte daqueles que tinham esperado a volta visível de Cristo para 1844, quando viram que Jesus não tinha voltado, adoptaram a tese que dizia que Jesus naquele ano tinha passado do lugar santo para o santíssimo. Também eles portanto julgaram ter esperado o evento errado para a data certa. Só que à diferença dos desapontados que os seguiram (isto é, Barbour e os seus amigos), continuaram a esperar a volta visível de Cristo. De qualquer modo, algo de invisível tinha sucedido também para eles, porque Jesus no céu tinha passado do lugar santo para o santíssimo! Os que adoptaram esta ideia hoje chamam-se Adventistas do Sétimo Dia. [ ç ]

 

[ 2] Na Watch Tower (A Sentinela) de 15 de Julho de 1906 é contado como Russell quis pôr-se em contacto com Barbour porque tinha lido uma cópia do Herald of the Morning em que o Director (Barbour) dizia que o Senhor já estava presente no mundo desde 1874. Eis as palavras de Russell: ‘...fiquei perplexo diante de uma declaração muito cauta com base na qual o Director cria que as profecias indicavam que o Senhor já estava presente no mundo (não visto e invisível), e que a obra de colheita e de escolha do trigo já estava iminente, e me surpreendeu que esta opinião fosse sustentada pelas profecias relativas ao tempo as quais, apenas poucos meses antes, ele tinha considerado falidas. Eis um novo aspecto sobre o qual reflectir; era possível que as profecias relativas ao tempo, que tinha por longo tempo desprezado por causa do erróneo uso que tinham feito delas os Adventistas, quisessem realmente indicar o tempo em que o Senhor estaria invisivelmente presente para estabelecer o seu reino, coisa que, como compreendia claramente, não se poderia conhecer de outro modo? A coisa me parecia, na verdade, razoável, muito razoável. (...) Podia ser que estas argumentações relativas ao tempo, que tinha descurado como imerecedoras de atenção, contivessem realmente uma importante verdade que eles tinham aplicado de maneira errónea? (...) Todavia, não estavam disponíveis livros ou outras publicações que expusessem as profecias relativas ao tempo como então eram entendidas, por isso me encarreguei das despesas necessárias para que o Sr. Barbour viesse encontrar-me em Philadelphia (onde tinha actividades de negócios no verão de 1876), para demonstrar-me amplamente e fazendo uso da Escritura, se fosse capaz disso, que as profecias indicavam o ano de 1874 como data para o início da presença do Senhor e para a ‘colheita’.  Ele veio e a evidência me satisfez. Sendo uma pessoa de firmes convicções e completamente consagrado ao Senhor, logo compreendi que a particular época em que vivíamos, exigia um importante empenho no nosso encargo e na actividade em qualidade de discípulos de Cristo...’.  [ ç ]

 

[ 3] No Anuário de 1976 é dito que Russell, ‘como orador público, fez viagens para além de um milhão e meio de quilómetros, pronunciando mais de 30.000 sermões. Escreveu publicações para o total de mais de 50.000 páginas, ditou frequentemente mil cartas por mês, dirigindo entretanto uma campanha evangelística mundial que em uma só vez empregou 700 oradores’ (pag. 77). [ ç ]

 

[ 4] Brevemente dizemos como a Torre de Vigia entrou em possessão deste chamado trigo milagroso. Em 1904 um homem de nome Stoner, que não sabia nada de Russell e dos Estudantes da Bíblia, descobriu em Fincastle, no estado da Virginia, uma qualidade de trigo surpreendentemente produtivo que ele chamou ‘trigo milagroso’. A notícia foi logo recebida e divulgada pelos jornais. A coisa chegou aos ouvidos de Russell, o qual considerou o aparecimento súbito deste ‘trigo milagroso’ um sinal testificador que a terra seria brevemente restaurada a condições paradisíacas. Em outras palavras, ele tomou este tipo de trigo por uma confirmação que o milénio estava às portas, e portanto que as suas previsões eram verdadeiras. Sucedeu então que dois Estudantes da Bíblia doaram à Sociedade Torre de Vigia uma certa quantidade deste trigo para vender por um dólar a libra. O trigo foi assim vendido pela Sociedade, que ganhou pela venda cerca de 1800 dólares. A propósito deste dinheiro a Torre de Vigia faz questão de dizer que Russell ‘não ficou com um centavo deste dinheiro’ ( Anuário das Testemunhas de Jeová de 1976, pag. 69), porque se tratou de uma contribuição feita a favor da Sociedade. A Torre de Vigia omite porém dizer que novecentos e noventa dos mil títulos do capital accionário da Sociedade estavam em posse de Russell, pelo que toda a contribuição para a Sociedade era na realidade feita a ele. [ ç ]

 

[ 5] Vede a tal respeito a parte onde demonstrei as numerosas infidelidades presentes na Tradução do Novo Mundo. [ ç ]

 

[ 6] A Sentinela é impressa em 151 línguas e Despertai! em 82. A tiragem média de cada número de A Sentinela em 1° de Dezembro de 2005 é de 26.439.000 cópias. [ ç ]

 

Índice